Mantendo as tradições do mês de janeiro aqui em nosso blog, hoje é dia de publicarmos a lista de indicações de livros para ler em 2020, da querida livreira Simone Pessoa (clique e confira as listas de 2018 e 2019) da tradicional Livraria Ouvidor.

Para este ano, ao invés de 10 obras, Simone indicou um total de 15 publicações. O motivo é pra lá de nobre! Reforçar o protagonismo feminino que marcou o mercado literário em 2019. Destaque para a polonesa Olga Tokarczuk, laureada com o Nobel da Literatura e para a americana Elisabeth Bishop, que além de ter morado em Ouro Preto e ter uma forte ligação com a cidade histórica mineira, será a autora homenageada da FLIP, a Festa Literária Internacional de Paraty em 2020.

Confira abaixo os livros indicados. Já adiantamos para você que a lista é incrível!

O SOL É PARA TODOS

(HARPER LEE)

Sinopse: Um livro emblemático sobre racismo e injustiça: a história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos dos anos 1930 e enfrenta represálias da comunidade racista. O livro é narrado pela sensível Scout, filha do advogado. Uma história atemporal sobre tolerância, perda da inocência e conceito de justiça. O sol é para todos, com seu texto “forte, melodramático, sutil, cômico” (The New Yorker) se tornou um clássico para todas as idades e gerações.

HIBISCO ROXO

(CHIMAMANDA NGOZI)

Sinopse: Protagonista e narradora de Hibisco Roxo, a adolescente Kambili mostra como a religiosidade extremamente “branca” e católica de seu pai, Eugene, famoso industrial nigeriano, inferniza e destrói lentamente a vida de toda a família. O pavor de Eugene às tradições primitivas do povo nigeriano é tamanho que ele chega a rejeitar o pai, contador de histórias encantador, e a irmã, professora universitária esclarecida, temendo o inferno. Mas, apesar de sua clara violência e opressão, Eugene é benfeitor dos pobres e, estranhamente, apoia o jornal mais progressista do país. Durante uma temporada na casa de sua tia, Kambili acaba se apaixonando por um padre que é obrigado a deixar a Nigéria, por falta de segurança e de perspectiva de futuro. Enquanto narra as aventuras e desventuras de Kambili e de sua família, o romance também apresenta um retrato contundente e original da Nigéria atual, mostrando os remanescentes invasivos da colonização tanto no próprio país, como, certamente, também no resto do continente.

SOBRE OS OSSOS DOS MORTOS

(OLGA TOKARCKZUK)

Sinopse: Subversivo, macabro e discutindo temas como mundo natural e civilização, este livro parte de uma história de crime e investigação convencional para se converter numa espécie de suspense existencial. “Uma das grandes vozes humanistas da Europa”, segundo o jornal The Guardian, Olga Tokarczuk oferece um romance instigante sobre temas como loucura, injustiça e direitos dos animais.

MEU ANO DE DESCANSO E RELAXAMENTO

(OTTESSA MOSHFEGH)

Sinopse: Um romance hilário e poderoso sobre o experimento de hibernação de uma jovem, sua amiga desastrada e uma das piores psiquiatras da história da literatura. Estamos no ano 2000, em Nova York, uma cidade cheia de possibilidades. E a narradora de Meu ano de descanso e relaxamento não tem motivo para queixas.

MÁQUINAS COMO EU

(IAN MCEWAN)

Sinopse: Londres, 1982. A Grã-Bretanha perdeu a Guerra das Malvinas. A primeira-ministra Margareth Thatcher tem seu poder desestabilizado ao ser desafiada pelo esquerdista Tony Benn. O matemático Alan Turing vive sua homossexualidade plenamente e suas contribuições para o avanço da tecnologia permitiram não só a disseminação da internet e dos smartphones como a criação dos primeiros humanos sintéticos, com aparência e inteligência altamente fidedignas. É nesse mundo que Charlie, Miranda e Adão – o robô que divide a vida com o casal – devem encontrar saída para seus sonhos e ambições, seus dramas morais e amorosos. O novo romance de Ian McEwan desafia nosso entendimento sobre humanos e não humanos e trata do perigo de criar coisas que estão além de nosso controle.

UMA NOITE COM SABRINA LOVE

(PEDRO MAIRAL)

Sinopse: Primeiro romance do autor de A uruguaia, mescla de “road movie” com romance de formação. Todas as noites o jovem Daniel Montero encerra-se em seu quarto para assistir ao Show de Sabrina Love, programa de TV com a atriz pornô mais popular do momento. Ao vencer um sorteio para passar uma noite com Sabrina em Buenos Aires, ele terá não apenas uma primeira vez, mas várias: a viagem pelas estradas argentinas, a descoberta do sexo, a percepção da hipocrisia humana, o conhecimento do amor. Brilhante estreia de Pedro Mairal, este romance permite antever as qualidades – a prosa leve, a narrativa cheia de vivacidade e a construção empática dos personagens – de A uruguaia.

OS ANOS

(ANNIE ERNAUX)

Sinopse: Uma das principais escritoras francesas da atualidade, Annie Ernaux empreende neste livro a ambiciosa e bem-sucedida tarefa de escrever uma autobiografia impessoal. Com ousadia e precisão estilística, ela lança mão de um sujeito coletivo e indeterminado, que ocupa o lugar do eu para dar luz a um novo gênero literário, no qual o registro pessoal se mescla à grande História, numa singular evocação do tempo. Consciente do caráter fugidio e maleável da memória, Ernaux abraça a incerteza e faz dela um trunfo: “Assim como o desejo sexual, a memória nunca se interrompe. Ela equipara mortos e vivos, pessoas reais e imaginárias, sonho e história”.

DEVOÇÃO

(PATTI SMITH)

Sinopse: Saído da pena de uma das artistas mais inspiradoras do nosso tempo, este livro é um testemunho do processo criativo de Patti Smith. Uma bela e original história de obsessão: a de uma patinadora que vive para a sua arte, a do possessivo colecionador que implacavelmente busca o seu prémio, e a de uma relação forjada pela necessidade. Acompanha-a um ensaio que torna mais tangível a origem misteriosa deste inquietante conto.

A iluminação chega-nos quando Smith viaja para o Sul de França até à casa de Camus, encontra a sepultura de Simone Weill no cemitério de Ashford, nos arredores de Londres, e persegue as ruas labirínticas e sem nome da Paris de Patrick Modiano. Escrevendo em cafés e comboios, Patti Smith abre generosamente os seus cadernos de apontamentos e revela a alquimia do seu trabalho, neste vibrante livro sobre a escrita e a razão pela qual escrevemos.

POEMAS ESCOLHIDOS

(ELISABETH BISHOP)

Sinopse: Apesar de ter publicado pouco em vida, Elizabeth Bishop é tida como uma das mais importantes vozes da poesia norte-americana. Esta antologia, organizada e traduzida por Paulo Henriques Britto, apresenta grande parte dos poemas que a autora publicou em vida e alguns poemas póstumos, ainda inéditos em português. Estão aqui também os poemas que a autora escreveu sobre o Brasil, resultado das quase duas décadas em que morou no país. Mesclando a capacidade de observar e descrever a textura do mundo, lugares e animais a uma inclinação psicológica e subjetiva, Bishop se debruça sobre temas como o tempo, a memória, a natureza e o amor, em composições que apresentam uma grande variedade de recursos formais, em que a relação entre forma e conteúdo é perfeitamente evidente. Como ressalta Paulo Henriques Britto em um dos textos introdutórios que acompanham o volume, “como todo poeta lírico, Bishop toma sua própria experiência individual como matéria-prima; como todo artista maior, com base nesse material pessoal ela cria obras cujo interesse vai além do puramente autobiográfico e pessoal”.

O AVESSO DAS COISAS

(CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE)

Sinopse: Em ‘O avesso das coisas’, Drummond reúne um conjunto de máximas com aparência de mínimas. A reunião de aforismos mostra a engenhosidade e o lirismo de Drummond num gênero tão distante da poesia que o consagrou. Como um ensejo de dicionário, mas apenas com palavras escolhidas, este livro nos apresenta definições diferentes para palavras como amor, literatura, amizade, poesia e vida, entre outras.

LUCKY JIM

(KINGSLEY AMIS)

Sinopse: Jim Dixon está em uma situação delicada. Não sabe se conseguirá manter sua posição como professor de história medieval na universidade, já que para isso teria que publicar um artigo que lhe valesse a admiração da academia. Como se não bastasse, ele também deve cultivar um bom relacionamento com o professor Welch, o chefe de seu departamento, um homem pedante que jamais esquece que Jim vem de uma família de classe média baixa. E tudo isso enquanto tenta conquistar Margaret, uma de suas colegas de trabalho que está se recuperando de uma tentativa de suicídio por causa do rompimento com o ex-namorado. Jim terá sorte o bastante para alcançar seus objetivos? “Lucky Jim” é um clássico do absurdo: toda a ação se desenvolve em torno do controle individual sobre o outro. Os equívocos, as maquinações, os mal-entendidos, os favoritismos concorrem para o tormento de Jim, que fuma e bebe em demasia e se dirige inapelavelmente a um ponto de ruptura. Este livro é considerado por Christopher Hitchens (cujo ensaio é reproduzido como posfácio da edição) o mais divertido da segunda metade do século XX. Esta é a primeira tradução brasileira do aclamado romance de estreia de Kingsley Amis.

MULHERES

(EDUARDO GALEANO)

Sinopse: Mulheres protagonistas da história e mulheres esquecidas por ela; mulheres que sonham e mulheres castigadas por sonhar; mulheres que sobrevivem e mulheres que nos ajudam a sobreviver. As mulheres que atravessam os relatos de Eduardo Galeano comovem por sua determinação, sua desobediência constante e também por sua fragilidade.

Galeano compartilha a intensidade de personagens femininos marcados pelo peso de uma causa, como Joana d’Arc, Rosa de Luxemburgo, Eva Perón ou as Mães da Praça de Maio; pela sua própria formosura e talento, como Marilyn Monroe, Rita Hayworth, Frida Kahlo, Alfonsina Storni, Camille Claudel ou Josephine Baker. Mas também compartilha as façanhas coletivas de mulheres anônimas: aquelas que lutaram na Comuna de Paris, as que impregnam os templos africanos da Bahia com seus cânticos, as que – num prostíbulo da Patagônia argentina – se negaram a receber os soldados que tinham reprimido a greve dos peões.

Como a personagem que abre o livro, a Sherazade de As mil e uma noites que a cada jornada contava uma nova história ao rei para permanecer viva, Galeano entrega em cada relato sua maestria de narrador oral e de artesão da linguagem, para conjurar o esquecimento mas também para celebrar a experiência daquelas que nunca se resignam.

METRÓPOLE A BEIRA-MAR

(RUY CASTRO)

Sinopse: O que aconteceu no Rio entre o carnaval de 1919 e a Revolução de 30? Tudo. Uma cidade em convulsão na imprensa, na literatura, na música popular, na ópera, no teatro, nas artes plásticas, no cinema, na caricatura, na praia, na ciência, na arquitetura, no futebol, na luta das mulheres, nos costumes, no sexo e nas drogas. Se o Brasil dos anos 20 ainda engatinhava rumo à modernização, o Rio de Janeiro tinha vida própria e já era sinônimo de arrojo e vanguarda.

É essa capital fervilhante o cenário e a protagonista do novo livro de Ruy Castro. Em Metrópole à beira-mar, um de nossos maiores biógrafos faz uma saborosa reconstituição histórica dos anos loucos cariocas, entrelaçando eventos políticos e culturais à trajetória dos personagens — os lembrados e os esquecidos —, que fizeram e mudaram a história.

LONGA PÉTALA DE MAR

(ISABEL ALLENDE)

Sinopse: Em plena Guerra Civil Espanhola, o jovem médico Víctor Dalmau e sua amiga, a pianista Roser Bru-guera, são obrigados a abandonar Barcelona, exilar-se e atravessar os Pirineus rumo à França. A bordo do Winnipeg, navio fretado pelo poeta Pablo Neruda, que levou mais de dois mil espanhóis para Valparaíso, eles embarcaram em busca da paz e da Liberdade que não tiveram em seu país. Recebidos como heróis no Chile — essa “longa pétala de mar e neve”, nas palavras do poeta chileno —, os dois se integrarão na vida social do país durante várias décadas, até o golpe de Estado que derrubou Salvador Allende, com quem Víctor estava ligado por laços de amizade, graças à paixão pelo xadrez. Víctor e Roser se verão novamente desterrados, mas, como diz a autora: “quando se vive o suficiente, todos os círculos se fecham”.

Uma viagem pela história do século XX, de mãos dadas com alguns personagens inesquecíveis que descobriram que numa única vida cabem muitas outras, e às vezes o difícil não é fugir, mas voltar.

SEROTONINA

(MICHEL HOUELLEBECQ)

Sinopse: Niilista lúcido, Michel Houellebecq constrói um personagem obsessivo e autodestrutivo, que analisa a própria vida e o mundo que o rodeia com um humor ácido e virulento. Serotonina mostra que o autor continua sendo um dos mais perspicazes analistas do século XXI.

Florent-Claude Labrouste tem 46 anos, detesta seu nome e toma antidepressivos que liberam serotonina e causam três efeitos colaterais: náusea, falta de libido e impotência.

Seu périplo começa em Almeria (Espanha), segue por Paris e depois pela Normandia, onde os agricultores estão em luta. A França está afundando, a União Europeia está afundando, a vida de Florent-Claude está afundando. O sexo é uma catástrofe. A cultura não é mais uma tabua de salvação — nem mesmo Proust ou Thomas Mann são capazes de salvá-lo.

Nesse contexto, Florent-Claude descobre vídeos pornográficos assombrosos em que sua atual companheira aparece, e isso é a gota d’água para que ele deixe o trabalho e passe a viver em um hotel. Perambula pela cidade, visita bares, restaurantes e supermercados. Repassa suas relações amorosas, marcadas sempre pelo desastre, que transitam entre o cômico e o patético. Ao se reencontrar com um velho amigo aristocrata, que parecia ter uma vida perfeita, mas que foi abandonado pela esposa e se vê falido, Florent-Claude aprende a manejar uma arma de fogo — que vai mudar sua vida para sempre.

Em um espiral de problemas, Florent-Claude se torna um hábil analista da contemporaneidade, de seus anseios, inseguranças e problemas. Sua vida, um reflexo do desinteresse pelo mundo, será o espelho das mais cruéis agruras da vida.

“Se há qualquer um hoje em dia, não só na literatura francesa, como na mundial, que reflita sobre a enorme mutação em curso que todos nós sentimos, e que não sabemos como analisar, esse escritor é Houellebecq.” Emmanuel Carrère, Le Monde.