KK Bicalho é mineira, curiosa e observadora. Desde criança procura o inesperado em tudo o que vê. Cresceu desenhando e por conta de seus rabiscos tomou gosto pela linha, e um dia brincou de fazer linha com a tesoura.

KK buscou saber mais. Formou-se em 2010 em Artes Plásticas e Arte-Educação pela Escola Guignard/UEMG, em Belo Horizonte, e especializou-se em Desenho e Gravura em Metal. Desde então, ela pôde compreender mais a subjetividade de suas linhas e enfim KK Bicalho deu nome à série de recortes de papel que criava desde pequena: MINUANCES.

Com suas miniaturas de papel recortadas a mão livre KK participou de exposições em cidades de Minas Gerais e do Rio de Janeiro.

As pequenas figuras criadas pela artista dialogam com a simplicidade das ações cotidianas. Exaltam a beleza do que é comum no dia a dia. KK Bicalho percebe a poesia de cada momento  e os coloca em foco, congela o tempo para que as pessoas também os percebam de forma singular. Suas miniaturas são curiosas por dialogarem com a dimensão total da obra e com o espaço que ela ocupa, trazendo o observador para próximo do trabalho. É poesia aproximada.

Em 2020, as Minuances completam 10 anos de existência e, apesar de haver ainda uma longa estrada pela frente e muito a evoluir, há também muito a comemorar! São 10 anos de um trabalho inovador, criado na coincidência do acaso, sem referência direta de outros artistas.

A técnica é bastante conhecida – recorte sobre papel – mas a prática tem levado a artista a um nível de detalhamento de encantar, principalmente no que se trata de recortar tamanhos tão pequenos.

Em MEUS CONTOS RECORTADOS, sob curadoria de Patrícia de Deus e exibida na galeria do espaço de mesmo nome, KK Bicalho recria algumas de suas obras que fizeram sucesso nesta primeira década das Minuances – o tríptico “doismileonze”(2020), por exemplo, foi  criado com referência na série vendida para o MAM/RJ, em 2011, daí o nome do trabalho.