Apesar de sua origem remeter à antiguidade, muito antes do descobrimento de nossas terras pelos portugueses, a verdade é que não dá mais para pensar no carnaval sem pensar no Brasil. A festa popular, trazida pelos europeus em meados do século XVII, ganhou novos contornos por aqui e virou uma das grandes manifestações culturais de nosso país. A marca registrada de um povo que, mesmo diante de inúmeras dificuldades, não deixa de parar por alguns dias para sorrir e festejar como se não houvesse amanhã, a não ser, claro, que amanhã ainda seja carnaval.

Cada cidade brasileira tem a sua forma de celebrar o evento. A seguir, falaremos um pouquinho sobre algumas delas, começando, claro, por nossa querida Belo Horizonte, dona de um dos mais belos, animados e democráticos carnavais de rua de todo o planeta! Confira:

Carnavais pelo Brasil

Belo Horizonte

O carnaval na capital das Minas Gerais viveu, na década de 1940, um de seus períodos áureos, com o surgimento das batalhas de confete e os bailes populares, bem como dos blocos caricatos e das escolas de samba. De lá para cá, o evento teve seus altos e baixos. A cidade que presenciou o surgimento da tradicional Banda Mole, em 1975 e que viu a Avenida Afonso Pena virar passarela do samba entre 1980 e 1990, também teve que lidar com períodos ruins, quando sua população optou por curtir a folia para além das fronteiras do estado, ou em cidades do interior de Minas como Ouro Preto, Diamantina e Tiradentes.

Em 2010, no entanto, um movimento popular revitalizou o tradicional carnaval de rua de BH, que hoje, está entre os mais movimentados do país. Blocos como Chama o Síndico, Então Brilha, Baianas Ozadas, e tantos outros, estão ajudando a capital a reescrever, com muita alegria, a sua história carnavalesca.

Rio de Janeiro

Embora os blocos de rua também sejam bastante movimentados no Rio de Janeiro, o grande destaque do carnaval carioca fica por conta dos desfiles das escolas de samba na rua Marquês de Sapucaí. Por noite, quase 60 mil pessoas tomam conta do sambódromo para acompanhar toda a beleza das 12 escolas do grupo especial. O talento das pessoas por trás de agremiações como Mangueira, Beija-Flor, Portela, e tantas outras, já deu origem a incontáveis sambas-enredos, muitos dos quais, hinos entoados até hoje pelos quatro cantos do Brasil.

São Paulo

Na maior cidade do país, o desfile oficial no sambódromo também tem muito valor. No entanto, assim como em BH, os bloquinhos de rua são os grandes responsáveis por fazer a alegria das milhões de pessoas que optam por São Paulo como destino de carnaval. O destaque fica por conta dos famosos Acadêmicos do Baixo Augusta e Ritaleena. Para quem mora ou frequenta a cidade, é uma delícia observar as ruas que, no dia a dia, respiram trabalho, sendo tomadas pela alegria e criatividade dos foliões.

Salvador

Em Salvador, a animação fica por conta dos tradicionais trios elétricos, habituados a reger milhões de pessoas ao logo dos dias de folia. Os circuitos do Dodô, Osmar e Batatinha, os mais famosos da cidade, recebem no período, cerca de 150 blocos diferentes. Os trios costumam ser comandados por nomes consagrados da música baiana que, para além da festa, costumam fazer belíssimas homenagens às religiões afro-brasileiras, muito presentes e influentes na vida e cultura local.

Recife

Impossível falar de Recife sem mencionar o Galo da Madrugada. Criado despretensiosamente no ano de 1978, por Enéas Freire, o evento foi muito além daquilo que seu idealizador imaginava. O objetivo inicial era tentar trazer de volta o espontâneo e criativo carnaval de rua da cidade. Conseguiu muito mais do que isso. Hoje, o Galo da Madrugada é o maior e mais tradicional bloco carnavalesco do planeta. Em seu primeiro ano, recebeu 350 pessoas. Hoje, são cerca de 2,5 milhões de foliões, dançando e cantando pelas ruas da capital pernambucana, religiosamente, em todos os sábados de carnaval.

Olinda

Em Olinda, o destaque fica por conta do frevo e do encontro de bonecos gigantes. A tradição começou no ano de 1931, com O Homem da Meia-Noite, homenagem a um belo rapaz que todos os dias, exatamente à meia noite, fazia seu trajeto por uma das ruas da cidade, sendo espiado pelas moças da região. Até hoje, é o boneco que retrata o Homem da Meia-Noite quem abre oficialmente as festividades locais, repetindo o percurso na exato momento da virada de sexta para sábado.

E você, vai passar o carnaval aonde? Se o seu perfil não se encaixa com o da turma que pretende sair pelas ruas festejando, fique ligado em nossas redes sociais. Ao longo dos dias, soltaremos dicas de filmes, livros e outros.