“Viaje e volte com a mala repleta de alegria, sorrisos, lindas recordações e ótimas histórias pra contar”. Mayara Benatti

No ultimo mês de junho, vivenciei uma fascinante jornada repleta de arte, cultura, natureza, paisagens deslumbrantes e muita, muita história. Como na frase de Mayara Benatti, o período foi marcado por alegria e sorrisos de sobra, e agora, compartilho aqui no Blog PdD, as lindas recordações que trouxe na bagagem.

A viagem se dividiu em duas etapas distintas. A primeira, pelas belíssimas cidades de Milão e Veneza, na Itália, organizada e conduzida pelo professor de arte Luiz Flávio. A segunda, uma deliciosa surpresa pelos Balcãs, organizada com todo cuidado e carinho por Carolina Sarti, do Ateliê de Viagens, com o melhor da Eslovênia, Bósnia-Herzegovina e Croácia.

Itália: Arte, beleza e cultura

Milão, um dos mais importantes polos mundiais de design, mídia, arte e cultura, cidade elegante e cosmopolita, foi escolhida como ponto de partida do roteiro.

A estadia por lá foi praticamente uma viagem no tempo pela história da arte, do clássico ao contemporâneo. Da Santa Ceia do gênio Leonardo Da Vinci (cuja morte completa em 2019, 500 anos), localizada no Convento Santa Maria Delle Grazzie, passando por artistas como Bellini, Rafael, Tintoretto, Bronzino, Caravaggio, Manet, Gauguin, Cézanne, Van Gogh, Picasso e Jean-Auguste Dominique Ingress, em espaços como a Galleria d’Arte Moderna, a Pinacoteca di Brera e o Palazzo Realle, a nomes fortes da arte contemporânea como Luise Bourgeois, Robert Gober, Thomas Demand, Lizzi Fitch, Ryan Trecartin, a indiana Sheela Gowda, o Italiano Giorgio Andreotta Calò e a brasileira Anna Maria Maiolino, cujas obras estão distribuídas em espaços dedicados como a Fondazione Prada, a Padiglione d’Arte Contemporanea, o Museo Del Novecento e o Museo delle Culture.

As belezas arquitetônicas de Milão, obviamente, não poderiam ficar de fora. Destaque para a Pizza Del Duomo e o Duomo di Milano, 3ª maior Catedral Gótica do Mundo, e os magníficos jardins de Villa Reale.

De Milão, a viagem seguiu para a romântica Veneza, famosa por seus palácios e canais, que sediava a 58ª edição da aguardada La Biennale, evento que faz a cidade respirar arte. Os passeios culturais incluíram lugares como a Basilica di San Macro, a Scuolla Grande di San Rocco e suas magníficas pinturas em grandes formatos, a Galleria dell’accademia, o mais importante museu da cidade, casa de trabalhos dos grandes mestres renascentistas, a Fondazione Querini Stampalia, a Igreja San Giorgio Maggiore, a Peggy Guggenheim Collection, museu de arte moderna que expõe os trabalhos do dadaísta Jean Arp, a Galleria Internazionale d’Arte Moderna, a Fondazione Prada Venezia, e claro, os deliciosos cafés da Piazza San Marco.

No roteiro, também estiveram presentes o Palazzo Fortuny, o Palazzo Grassi, um dos mais esplêndidos palácios setecentistas venezianos, a Punta della Dogana e a grande exposição coletiva Luogo e Segni (“Lugares e Sinais”), com obras de artistas contemporâneos como Agnes Martin, Anri Sala, Louise Lawler, Tatiana Trouvé, dentre outros.

Confira algumas imagens do passeio cultural pela Itália:

A surpreendente jornada pelos Balcãs

Encerrada a primeira etapa e com a cabeça repleta de referências artísticas e culturais, segui viagem para conhecer o surpreendente trio Eslovênia, Bósnia-Herzegovina e Croácia. O percurso foi todo conduzido pela incrível local Nina Mimica, diretora de cinema e guia poliglota, cujas histórias deixaram o passeio ainda mais rico e encantador.

O trajeto começou pela charmosa capital Eslovena Ljubljana, uma cidade de médio porte (270 mil habitantes) que combina construções medievais e muita natureza (foi considerada a capital mais verde da Europa em 2016). Em Ljubljana, destaque para a Catedral Barroca, as Três Pontes e a Praça Mestni.

Da capital, a viagem seguiu para Bled, uma linda vila situada junto a um lago e um castelo medieval, considerada um dos mais belos lugares do país, digna de cartão postal. E antes de seguir rumo ao próximo destino, ainda deu tempo de mais uma surpresa Eslovena, com as incríveis Cavernas de Postojna e seus 20 quilômetros de galerias.

Os próximos passos do roteiro incluíram uma parada na capital Croata, Zagreb, e um incrível passeio pelo centro histórico Gornji Grad e sua famosa Catedral do Século XIII, a Igreja de São Marcos e a Praça do Rei Tomislav. Em seguida, parti rumo à Bósnia-Herzegovina.

A primeira parada em território bósnio foi Sarajevo, cidade que na década de 90 ganhou os olhos do mundo por motivos, infelizmente, tristes, a Guerra da Bósnia. As memórias de luta e sofrimento ainda são muito presentes e jamais serão esquecidas (as histórias ficam ainda mais inacreditáveis quando relatadas por Nina), mas a guerra e o sofrimento definitivamente ficaram no passado. A força da população de Sarajevo, a energia local e as belezas da cidade fazem de Sarajevo um lugar que vale muito a pena conhecer.

Na Bósnia, ainda passamos por Mostar e Medjugorje, uma das cidades preferidas dos católicos, graças à famosa aparição de Virgem Maria no ano de 1981.

Encerrada a trajetória em território bósnio, o que veio em seguida foi, definitivamente, a parte mais surpreendente e encantadora da viagem: as belezas naturais da Croácia e de seu litoral.

O passeio começou em Dubrovnik, cidade considerada Patrimônio Mundial pela UNESCO, (uma das mais belas cidades edificadas com pedras do mundo), conhecida como a Pérola do Mar Adriático. Além dos muitos anos de história e dos diversos monumentos, Dubrovnik tem inúmeras belezas naturais, o que faz de lá um destino imperdível.

Tão imperdível quanto Split, cidade encantadora no litoral do país que também foi considerada patrimônio mundial pela UNESCO. Split conta com verdadeiros espetáculos como o Palácio Diocleciano a Catedral de São Duje  e Templo de Júpiter. Além disso fica próxima do Parque Nacional de Plitvice, sem dúvida, umas das principais maravilhas naturais com as quais já me deparei. Repleta de lagos, cachoeiras e muito verde distribuídos em mais de 300km2 de área, a natureza exuberante e apaixonante do local são a prova definitiva de que os passeios pela Europa vão muito além da cultura.

A seguir, confira algumas fotos da minha surpreendente jornada pelos Balcãs: